SETEMBRO AMARELO

 Suicídio ainda é um tabu?

 

por Mariana Tedesco Hufnagel,

aluna da 3ª série do E.M.

CNSD 2017

 

Você já se sentiu como estivesse desmoronando?

Você já se sentiu deslocado?

Como se você não se encaixasse

E ninguém te entendesse?”

“Do you ever feel like breaking down?

Do you ever feel out of place?

Like somehow you just don't belong

And no one understands you

 

Trecho da música ‘Welcome To My Life’ da banda Simple Plan

 

Angústias, medos, tristezas, decepções amorosas e principalmente a solidão, são algumas das razões para que milhares de pessoas cometam suicídio todos os dias. Todos nós, já nos sentimos assim alguma vez em nossa vida, principalmente quando estamos na fase da adolescência.

Dados mostram que dos 15 aos 29 anos, todos os dias, são registrados os maiores números de autocídios em todos os cantos do mundo.

Na nossa vida temos várias fases. Quando somos bebês/crianças, queremos descobrir o mundo. Na pré-adolescência, queremos entendê-lo, já na adolescência, queremos nos conhecer, e isso traz todas as responsabilidades que muitas vezes nos tornam instáveis, e nos sentimos perdidos sem ninguém para nos socorrer, como nas fases anteriores.

Segundo o Jornal Rondoniagora, no artigo “Setembro amarelo: Casos de suicídio em Porto Velho”, os alunos do ensino médio quando chegam nessa etapa da vida de vestibular, faculdade, curso, primeiro trabalho, encontrar o seu lugar no mundo, se sentem perdidos, com vontade de desistir. E ninguém percebe as mudanças. Consequentemente, não se nota que não somos totalmente independentes e que ainda precisamos de uma direção, uma orientação, um guia, alguém que nos escute.

De acordo com a psicanalista Elza Jacarandá, o suicídio não é um ato em que a pessoa resolve se matar, mas a única forma encontrada pelo paciente para livrar-se da dor que está sentindo. E ao contrário do que pensamos o que parece egoísmo é na verdade um beco sem saída. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2014, no Brasil foram registrados mais de 10.000 casos.

Por que temos apenas números crescentes todos os anos?

A resposta é simples: nos dias de hoje, a nossa comunicação mudou tanto com a tecnologia que as relações interpessoais estão se extinguindo, deixando de lado toda a atenção especial dada a cada ser humano nesse mundo tão cheio tragédias. Cada gesto, ato ou fala pode ser um sinal, que conscientemente ou não, a pessoa possa estar pensando em se suicidar, o que faz com que esse mês seja tão importante, mas não só esse mês, todos os dias.

Iniciado em 2015, o mês-alerta conta com o apoio do C.V.V. (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), com o principal objetivo de conscientizar e alertar a todos a respeito da realidade do Brasil e do mundo e suas formas de prevenção.

Para ajudar com o alerta no mês de prevenção, vários monumentos famosos adquirem a cor/luz amarela, e ainda são feitas ações como caminhadas, passeios ciclísticos e de motos, e ainda abordagens em locais públicos de vários lugares no Brasil.

O suicídio ainda é um tabu na nossa sociedade, então para cada dia mais quebrarmos essa barreira aqui vão algumas dicas:

1)    Leve as ameaças a sério – sempre preste atenção em suas atitudes e nunca duvide sobre algo que ela diga a respeito de se suicidar. Esteja sempre disposto a ajudá-la.

2)    Cuide de quem está de luto – após um acontecimento trágico a pessoa pode ficar se culpando, o que a leva ao suicídio. Então cuide de quem fica.

3)    Não guarde segredos – na adolescência é normal guardar segredos, mas se esse segredo for que a pessoa está pensando em se matar, não pense duas vezes e peça ajuda de um adulto, e não pense que você a está expondo, está apenas buscando uma outra maneira de ajudá-la. E no caso dos adultos, fale com um parente. O importante é nunca se cale diante das ameaças feitas.

4)    Seja um bom ouvinte – o principal ponto é escutar, sem criticar e julgar. A pessoa mantém aquele sentimento ali dentro, e uma vez exposto, nunca se sabe os benefícios que isso trará.

5)    Ajude a diminuir o tabu – pensamos que falando sobre suicídio estamos incentivando-o a todos a cometê-lo. Porém é totalmente o contrário. Falando sobre ele, estamos conhecendo-o, para ajudar o outro de uma maneira melhor, já que em cada dez suicídios, nove poderiam ser evitados.

Curiosidade: O mês de setembro recebeu a incumbência do ‘Setembro Amarelo’ pelo dia 10, que é o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio e a cor amarela representa o alerta, ou seja, para todos terem atenção com as atitudes do próximo para ninguém vir a cometer suicídio.

Fontes

https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2017/09/13/5-dicas-praticas-para-ajudar-na-prevencao-do-suicidio.htm

 http://www.setembroamarelo.org.br/

 http://www.rondoniagora.com/geral/setembro-amarelo-casos-de-suicidio-em-porto-velho-aumentaram-mais-de-100