Resenha:

Genesis - Selling England By The Pound

Por Gabriel Ribeiro

junho 2018

O Genesis em seu auge do rock progressivo após lançar dois ótimos álbuns: "Foxtrot" com o épico "Supper's Ready" de 23:05 minutos e "Nursery Cryme" que possui a ótima "The Musical Box". Finalmente lança o que seria um dos álbuns preferidos dos fãs dessa primeira fase ainda progressiva ou de toda sua carreira, lançado em 1973.

A banda possuía sua melhor formação, Peter Gabriel (vocal, flauta, oboe e percussão), Tony Banks (órgão, sintetizador, mellotron, piano, violão de 12 cordas), Steve Hackett (violão, guitarra e violão de 12 cordas) Phil Collins (bateria, percussão, vocal em "More Fool Me" e backing vocal) e Mike Rutherford (baixo, violão de 12 cordas, cítara).

Em "Selling England By The Pound" houve boa recepção da crítica e do público. É um álbum muito interessante com várias quebras de ritmo em todas as músicas mostrando a alta técnica de todos os integrantes, e letras em sua maioria influenciadas por temas ingleses.

Abre com a ótima "Dancing With The Moonlight Knight", uma das favoritas do público. Começando com uma calma interpretação vocal de Peter Gabriel, até que a música "cresce" com todos os músicos trabalhando em perfeita sincronia. Seguindo para "I Know What I like (In Your Wardrobe)" provavelmente a música mais popular dessa primeira fase rendendo o primeiro single da banda.

Chegando em um dos épicos do álbum "Firth Of Fifth" começa com uma belíssima introdução no piano, e então toda a banda entra. "More Fool Me" e uma continuação de "For Absent Friends" do álbum "Nursery Cryme" com Phil Collins no vocal.

Chegando na peculiar "The Battle Of Epping Forest" que conta com uma letra baseada em um conflito de duas gangues rivais em uma floresta, onde Gabriel havia visto uma notícia no jornal sobre ela, durante a música temos Peter fazendo diferentes interpretações vocais para cada parte da história.

"After The Ordeal" é um intrumental, com destaque para a técnica de Steve Hackett primeiramente no violão e depois na guitarra. Finalmente chegamos a "The Cinema Show" uma de minhas canções preferidas desse álbum, com sua letra baseada no poema "The Waste Land" de T.S Eliot escrito em 1922, possui sua primeira parte baseada numa base feita no violão de 12 cordas, enquanto Peter Gabriel e Phil Collins trabalham no vocal juntos e ainda há um pequeno solo de flauta e oboé de Gabriel, na segunda parte da música possuímos um genial solo de Tony Banks no sintetizador.

E o álbum fecha com "Aisle Of Plenty" a mais curta do álbum onde seu começo seu relaciona com o fim de "The Cinema Show" reprisando um pouco da primeira música "Dancing With The Moonlight Knight" dando um efeito de fechamento de uma história.

É com certeza um dos melhores álbuns da carreira do Genesis e de todo o Rock Progressivo, vale a pena ouví-lo.

 

Genesis - I Know What I Like (In Your Wardrobe)